" "

 

Estratégias curatoriais e aportes teóricos em português.

O canal português é um espaço experimental aberto a proposições de estratégias curatoriais para articular o já exposto sobre novo viés. Oferece  outra modalidade de publicação entrelaçando diversas mídias e textos, publicados como exposições no JAR, reflexões e resenhas de livros, com outros materiais publicados fora do Journal. Oportuniza a visibilidade de modos diferenciados de pesquisa.

Curar significa tecer linhas de pensamento acerca de conceitos ou objetos emergentes sedimentando um terreno que, ao mesmo tempo, permite a oxigenação, tal como ocorre nos pneumatóforos, além de oferecer um terreno onde pousar. Muitas vezes o trabalho de tecer estas relações se dá partindo de conceitos já explorados em aportes teóricos. Mas, por outras, o discernimento é realizado através de metáforas (quase objetivadas como corpos estranhos) em suspensão suscitadas pelos trabalhos. Mesmo que os trabalhos não explicitem as motivações e bases investigativas claramente, esses “corpos” gravitam ou, de maneira contrária, se chocam, em torno de causas e universos que podem ser díspares. 

Artigos do canal Igarapés

Artigos criados para o Igarapés ou republicados no canal.

Comment

Antropofagia e modernidade. O que Roda Viva nos deixa como apontamentos e quais questões ainda permanecem abertas da complexa teia que nutre a prática artística do Teatro Oficina. A trajetória da recepção dos quase cinquenta anos, de 1969 a 2019, de Roda Viva no Teatro Oficina. 

Entrevistas

Comment

O Perspectivismo Vertiginoso do Teatro Oficina e O Sonho-Semente de Zé Celso de Um Teatro Por Vir traz a entrevista realizada por Vanessa Ramos-Velasquez  em março de 2019 com José Celso Martinez Corrêa. A entrevista se dá dentro do Teatro Oficina Uzyna Uzona durante a temporada da reencenação de Roda Viva.

Zé Celso muito ciente de seu papel como pioneiro e do ato fundador da espacialidade do Oficina concebida por Lina Bo Bardi, que mescla espaços mais convencionais como o La Scala de Milão com o do terreiro da tradição do Candomblé, fala sobre seu grande sonho paisagístico de poder expandir o Teatro Oficina porta afora se aproximando do Vale do Anhangabaú, o que em conversas mais prolongadas davam a vislumbrar o que projeto de uma Universidade Antropofágica poderia vir a ser.

 

Entrevista com Ricardo Basbaum

Entrevista com Ricardo Basbaum

TINOCO, Bianca; BASBAUM, Ricardo. “Entrevista com Ricardo Basbaum”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 6, n. 19, jan. 2018. ISSN: 2316-8102.

 

Notas de contextualização

Em notas de contextualização apresentamos discussões e análises que permeiam uma bibliografia selecionada em comum com temas do canal Igarapés.
Propomos com isso um campo de reflexão através de outras leituras, ampliando o campo para re-contextualizações sob outras perspectivas, tendo em vista as diversas complexidades em que nos encontramos hoje.

Reflexões

Aportes teóricos

Aportes teóricos 

Em Aportes teóricos estão alguns textos autorais que resgatam a formulação de um pensamento em torno da criação artística e crítica no contexto dos países que falam português. Aqui nosso primeiro aporte se refere à produção brasileira entre os anos 1964 e 1969, escrito por Roberto Schwarz.

Outra investida em Aportes teóricos é apresentar textos que servem de alicerce para pensar o "exposicional", a publicação enquanto performatividade. Exposição da prática como pesquisa enquanto sistemas experimentais e Exposições no catálogo de pesquisa, ambos textos de Michael Schwab traduzidos para o português.

 

Reading the periphery arquivo de textos críticos sobre o colonialismo na América do Sul

Culture and Politics in Brazil (1964-1969)

O texto de Roberto Schwarz continua a ser atual para entendermos a força dos desdobramentos teóricos e artísticos no Brasil, apesar das rupturas políticas e sociais. O artigo focou a produção artística dos anos de 1964 e 1969, que muito recebeu dos centros de cultura popular de anos anteriores. Analisa como em tempos ditatoriais a produção de artistas e intelectuais continuou a florescer até a imposição do AI5. Alguns grupos ainda resistem, como o Teatro Oficina coordenado por Zé Celso, José Celso Martinez Correia.

 

A exposição da prática como pesquisa enquanto sistemas experimentais de Michael Schwab

SCHWAB, M. The Exposition of Practice as Research as Experimental System/ A exposição da prática como pesquisa enquanto sistemas experimentais. Tradução Osmar Yang e Yara Guasque. Palíndromo, Seção especial, Florianópolis, v. 11, n. 23, p. 13-25, 2019. 

Artigo publicado originalmente em Inglês como capítulo de livro SCHWAB, Michael.“The Exposition of Practice as Research as Experimental Systems”, In CRISPIN, Darla; GILMORE, Bob. (Eds.). Artistic Experimentation in Music. An Anthology. Leuven: Leuven University Press, 2014, pp. 31-40.

 

 

Exposições no catálogo de pesquisa de Michael Schwab

SCHWAB, M. Expositions in the research catalog/Exposições no catálogo de pesquisa. Tradução Osmar Yang. Palíndromo, Seção Especial, Florianópolis, v. 10, n.20, p.10-24, 2018.

 Publicado originalmente como SCHWAB, Michael; BORGDORFF, Henk. (Eds).The Exposition of Artistic Research Publishing Art in Academia. Leiden: Leiden University Press, 2014, pp.92-104.

Resumo

O Research Catalog, RC (Catálogo de Pesquisa)e o Journal for Artistic Research, JAR (Revista de Pesquisa Artística)são projetos interligados, mas com metas e propósitos muito diferentes.  O RC é um espaço de trabalho gratuito online e basicamente privativo que permite a (auto-)publicação e pesquisa artística. JAR é um periódico acadêmico, avaliado pelos pares, de livre acesso, para a publicação e disseminação de pesquisa artística. JAR atua como o primeiro de uma série de portais planejados, especializados para pesquisas selecionadas publicadas no RC que utilizam a tecnologia disponibilizada, incluindo a interface de design e o procedimento integrado de envio e publicação.